Fortaleza x Fluminense está fora da TV na Copa do Brasil


Fortaleza x Fluminense está fora da TV na Copa do Brasil

A Globo, dona de todos os direitos de transmissão da Copa do Brasil, fez um acordo de sublicenciamento com a Amazon.

Esse jogo é exclusivo do serviço de streaming Prime Video, da Amazon, e apenas seus assinantes poderão acompanhar pela internet a partida, que começa às 20h30 e será realizada na Arena Castelão, no Ceará. Categorias: Futebol Brasil Por: Agência Futebol Interior, 28/07/2022 Acordo impede TV Campinas, SP, 28, (AFI) – Quem procurar o duelo do Fortaleza contra o  Fluminense, nesta quinta-feira (28), pela ida das quartas de final da Copa do Brasil 2022, não vai encontrar a transmissão em nenhum canal aberto e nem pago. Esse jogo é exclusivo do serviço de streaming Prime Video, da Amazon, e apenas seus assinantes poderão acompanhar pela internet a partida, que começa às 20h30 e será realizada na Arena Castelão, no Ceará.A Globo, dona de todos os direitos de transmissão da Copa do Brasil, fez um acordo de sublicenciamento com a Amazon no final de 2021. Pelo acordo,  a empresa americana adquiriu um pacote com 36 jogos da competição nacional, sendo 30 deles com exclusividade. Ou seja, nesse grupo de partidas exclusivas, estão fora a TV Globo, o SporTV e o Premiere.A Amazon já transmitiu 28 jogos com exclusividade na Copa do Brasil desde a primeira fase. Os dois jogos entre Fortaleza e Fluminense vão completar o pacote de 30 duelos exclusivos. As outras seis partidas a serem exibidas pelo Prime Video serão as duas semifinais (ida e volta) e os dois jogos da grande final, mas com a “concorrência” dos canais da Globo.Ou seja, depois do jogo de volta entre Fluminense e Fortaleza, no próximo dia 17 de agosto, o Prime Video não terá mais jogos exclusivos nesta edição da Copa do Brasil.Para 2023, ainda não está confirmada oficialmente a permanência nem da própria Globo como detentora dos direitos de transmissão do torneio, mas a Amazon está inclusa na proposta de renovação feita à CBF, como informou a coluna de Rodrigo Mattos em junho.

Confira também: